The Mycorial Hunt: Do Teatro ao Cogumelo no Fim do Mundo / Seminário Pivô + Frieze Magazine

facebook_event_533077693545325

The Mycorial Hunt: Do Teatro ao Cogumelo no Fim do Mundo / Seminário Pivô + Frieze Magazine, 4 septembre 2016 13:30, Pivô

Em paralelo à 32a Bienal de São Paulo, a Frieze e o Pivô disponibilizam, em parceria, uma plataforma de discussão em torno do tema da micologia, discutido tanto pelo projeto Mycorial Theatre, em andamento no Pivô durante a semana da abertura da Bienal, quanto por alguns artistas envolvidos nessa edição da mostra

The Mycorial Hunt: Do Teatro ao Cogumelo no Fim do Mundo.

Nós aprendemos sobre os Reinos Animal e Vegetal, mas sabemos hoje que os cogumelos não pertencem a nenhum deles. Constituem um Reino próprio: um terceiro reino.

Mesmo quando classificações científicas se tornam ineficazes, os fungos seguem germinando. O mesmo ocorre quando ambientes naturais entram em colapso: cogumelos e fungos são capazes de crescer em ecossistemas alterados pela ação humana e até mesmo de se desenvolver em meio a materiais inorgânicos e radioativos. Também são um dos mais numerosos, e talvez mais antigos, organismos existentes no planeta.

O Reino Fungui recentemente têm aparecido na prática de vários artistas contemporâneos. Afim de investigar os motivos pelos quais esse campo e as artes visuais têm se cruzado, o seminário reúne os curadores Milovan Farronato e Lars Bang Larsen, a artista Paulina Olowska em uma conversa mediada pelo editor da Frieze Dan Fox e a diretora artística do Pivô Fernanda Brenner.

No Pivô, Paulina Olowska e Milovan Farronato trazem ao Brasil o projeto Mycorial Theatre, que reúne cerca de dez artistas ,nacionais e internacionais, durante uma semana para uma vivência intensa que tem como ponto de partida a micologia e o teatro. A primeira edição do projeto foi realizada no pequena vilarejo Rabka-Zdrój , nas florestas da Polônia. Naquele ambiente os artistas envolvidos se dispuseram a buscar cogumelos na natureza, segundo os curadores como uma espécie de metáfora para o pensamento artístico, que busca forma e sentido em ambientes caóticos.

Ao trazer o projeto para São Paulo, os idealizadores propõem uma guinada radical -o cogumelo no fim do mundo-, investigando as possibilidades de relacionamento e sobrevivência em um ambiente urbano dessa escala.

O grupo funcionará como uma espécie de sociedade secreta ou um quasi-simposium dentro do Pivô e nos arredores do edifício Copan, que alterna dinâmicas abertas ao público e outras restritas aos participantes.

Esse seminário é uma das atividades do programa e levando isso em conta, o curador dinamarquês Lars Bang Larsen foi convidado a dividir sua pesquisa para o projeto curatorial da Bienal de São Paulo. Intitulada Incerteza Viva, essa bienal busca refletir sobre as atuais condições da vida e as estratégias oferecidas pela arte contemporânea para acolher ou habitar incertezas. A partir dessa proposição da curadoria, uma série de artistas também exploram a temática da micologia no programa da Bienal.

A investigação do reino fungui abre um caminho improvável e fascinante para a reflexão sobre o papel da arte em nosso tempo e sobre as consquências do capitalismo no meio ambiente. A existência colaborativa entre todas as espécies talvez seja o único pré-requisito para a perpetuação da vida no planeta, e os fungos são o melhor exemplo disso.

The Mycorial Hunt: Do Teatro ao Cogumelo no Fim do Mundo / Seminário Pivô + Frieze Magazine was last modified: août 31st, 2016 by Rennes
@Pivô São Paulo